30 de janeiro de 2015

Gardênia - Cap - 38 parte 2

HOT (se não gosta, não leia)
Untitled

(Seu Nome) P.O.Vs

    Assim que meu olhar se cruzou com o de Harry naquele aeroporto, foi como se uma corrente elétrica me invadisse. E quando nossos lábios se tocaram depois de tanto tempo que um não sentia o sabor do outro, foi como se o mundo inteiro não existisse mais, e assim que seus braços envolveram meu corpo, eu soube. Soube que eu era completa e inteiramente dele. 

      Naquela noite nos reunimos à mesa de casa para um jantar, Harry, minha mãe e eu. Ela preparou um belo jantar e estava toda ansiosa para receber elogios sobre a comida. Como o puxa saco que Harry era, sem deixar o intuito de ser o queridinho da minha mãe, ele passou a noite toda elogiando seus dotes culinários.

- Isso aqui realmente está divino! -ele disse degustando-
- Ah obrigada Harry! -minha mãe disse toda sorridente-

     Isso é sério? Não acredito que Harry está mesmo se dando bem nessa. O celular da minha mãe tocou e na mesma hora que ela olhou no visor, sua expressão se fechou. Aquilo me deixou um tanto desconcertada. Quem será que era? Ela levantou da mesa e se afastou indo em direção à sala e me deixando sozinha com Harry. O que deu nela? Será que é o tal do namoradinho dela? Harry e eu nos entreolhamos e eu sacudi os ombros como sinal de que não fazia ideia do que tinha acontecido. Foi então que me lembrei de algo.

- Harry? 
- Sim?
- Se eu bem me lembro, você me disse que estava trazendo algo especial pra mim, um presente.
- Ah. -ele se lembrou- Sim. -respondeu apenas-
- E então? -perguntei-
- E então o que? -perguntou-
- Você não vai me dar?
- É claro que vou te dar! -falou e eu sorri- Mas não agora. -acrescentou e eu fechei a cara-
- Como assim? -perguntei- Quer dizer, porquê não agora?
- Porque é algo muito especial e merece um momento especial também. Por isso só vou te dar quando eu tiver um tempo de organizar algo especial. Um piquenique talvez.
- Eu nunca fiz um piquenique! -falei animada- Seria ótimo!
- Você manda e eu obedeço. -falou sorrindo-

        No mesmo instante minha mãe adentrou a cozinha com aquela mesma expressão preocupada. Ela se aproximou de nós e disse com a voz cansada:

- Desculpa meus amores, me ligaram do hospital agora e é uma emergência. Eu tenho mesmo que ir. Harry se não se importa de ficar com (Seu Nome) até eu chegar, eu agradeceria.
- De maneira nenhuma, eu não fiz planos pra essa noite.
- Ótimo, não quero incomodar o pai dela uma hora dessas, além do mais estou certa de que volto antes de ficar muito tarde.
- Pode ir tranquila, eu cuido da nossa (Seu Nome).

        Nossa (Seu Nome), porque eles falam como se eu não estivesse aqui? E como se me ouvisse, minha mãe se dirigiu à mim.

- Eu volto assim que der meu amor. Juízo para os dois.

         E nisso ela saiu com a bolsa no ombro me deixando desolada querendo saber o que havia acontecido de tão importante. Harry e eu terminamos de comer em silêncio, ele se levantou e começou a colocar os pratos dentro da pia. (que homem!)

- Vou lavar a louça. -falou.
- Eu... Vou tomar um banho... -falei.
- Ta bom. -respondeu me olhando desconfiado.

           Porque ele acha que estou tramando alguma coisa? Corri em direção ao meu quarto e nem me incomodei em acender a luz, segui reto para o banheiro e fechei a porta me despindo. Liguei o chuveiro na água gelada e deixei que a tensão descesse pelo ralo, porque eu estava tão nervosa? Talvez pelo fato de estar toda indecisa se devo ou não me... Entregar... No momento em que penso nas mãos de Harry sobre meu corpo, sinto algo diferente no fundo de meu ventre. Começo a imaginar tudo que já passamos juntos até hoje, desde o dia em que nos conhecemos, da nossa verdadeira amizade até o dia de nosso primeiro beijo. Penso no quanto senti sua falta nesse tempo que estivemos longe e a sensação que é ter aquele vazio no peito quando não ouvia sua voz. Eu sabia que apesar de tudo, apesar de toda a minha insegurança quanto a esse passo tão grande da minha vida, que jamais poderia me deixar ser tocada por alguém que não fosse meu primeiro e único amor, eu não sou capaz de me imaginar nos braços de outro homem que não seja Harry, eu pertencia a ele.

            Ouvi o barulho do meu celular tocando do quarto e desliguei o chuveiro rapidamente me enrolando na toalha. A cômoda ficava bem perto da porta do meu banheiro de maneira que apenas estendi a mão do lado de fora e o alcancei. Era minha mãe, atendi:

- Mãe? -falei.
- Oi meu amor, só estou ligando pra avisar que terei que ficar a noite toda aqui no hospital, sinto muito te deixar sozinha.
- Tudo bem mãe, é o seu trabalho. Mas pode me dizer o que está acontecendo?
- É complicado filha, tenho uma paciente terminal e o estado dela estava bom até dias atrás. Mas de um tempo pra cá ela veio piorando e hoje teve que ser internada e como sou a responsável preciso ficar aqui ao lado dela.
- Nossa mãe, sinto muito. Isso realmente é muito triste.
- É sim meu amor, tenho que desligar agora. Tranque toda a casa quando Harry for embora, mas você sabe que não há perigo, ninguém entra sem permissão então não deixe ninguém subir se estiver sozinha.
- Ta bom mãe. -revirei os olhos, ela falava isso toda vez-

           Assim que desliguei, saí do banheiro ainda enrolada na toalha. Levei um susto quando vi a porta do quarto aberta e Harry sentado em minha cama com o celular na mão. A única luz que iluminava o quarto era a que vinha do corredor e mesmo assim não não clareava muito bem. Levei as mãos ao coração demonstrando meu espanto.

- Meu Deus que susto Harry!
- Desculpa. -pude ver a diversão em seu tom de voz- Quem era no celular?
- Minha mãe, ela disse que não volta hoje. -falei segurando a toalha e me sentindo totalmente tensa-
- Ah. -ele falou em consentimento- Se você quiser posso passar a noite com você, eu trago um colchão do quarto de hóspedes e coloco ao lado da sua cama.
- Sim. -falei ofegante- Sim isso seria ótimo.

          Porque raios minha respiração estava tão descompassada? Harry percebeu o tom estranho na minha voz e falou meio que se desculpando:

- Ah sim, você quer que eu saia do quarto pra poder se vestir. Me desculpe. -ele falou se levantando e indo em direção a porta-
- Na verdade eu... -comecei tentando criar coragem para terminar a frase-
- Você... O quê? -ele perguntou se aproximando de mim e tocando meu rosto-

           Seus dedos sobre meu rosto eram tão delicados e demonstravam tanto carinho que acabei fechando os olhos para sentir melhor como era bom ser tocada por ele. Nesse momento todas as minhas dúvidas evaporaram, Harry me amava. Olhe fundo em seus olhos verdes e aproximei seus lábios dos meus em um beijo cheio de significados e respostas ocultas. Harry separou o beijo e me olhou tão intensamente que senti minhas pernas fraquejarem, ele estava esperando que eu dissesse algo e assim o fiz.

- Eu estou pronta. -sussurrei e vi Harry arregalar os olhos-
- Você... -ele começou com a voz falha- Tem certeza?
- Absoluta. -sorri assentindo-

            E então os braços de Harry envolveram minha cintura me puxando contra seu corpo. Ele sorria enquanto me beijava e  por algum motivo eu também estava super feliz, tenho certeza de que fiz a escolha certa. Ele me puxou ainda mais pra si e me pegou no colo com um gesto delicado me colocando na cama. Ele caminhou até a porta fechando-a. Meus olhos já haviam se acostumado com o escuro e pude ver quando ele tirou sua camiseta e a jogou no chão fazendo o mesmo com a sua calça, ficando apenas de roupa íntima. Foi então que percebi que ainda segurava a toalha em meu corpo, assim que ele caminhava de volta pra cama eu a soltei e ele se deitou sobre mim. Um arrepio me percorreu de cima abaixo com o toque de seu corpo quente sobre o meu que estava gélido devido ao banho. Harry me fitou mais uma vez com a mão acariciando um lado do meu rosto:

- Não sabe o quanto sonhei com esse momento.

            Ele falou e suas palavras eram cheias de paixão e carinho, então ele beijou meus lábios mais uma vez mas não por muito tempo. Os beijos foram descendo pelo meu pescoço e eu sentia mais uma vez aquela sensação estranha no fundo do meu ventre. Senti os lábios de Harry descendo em direção aos meus seios e eu não sabia exatamente o que fazer, um gemido me escapou pela boca assim que ele lambeu um de meus seios, a sensação de sua língua em mim era maravilhosa. Ele começou a chupá-lo e  num movimento involuntário eu me vi indo de encontro aos seus lábios quando ele se afastou. Eu queria mais, de alguma maneira eu queria mais. Mas ele não me deu mais e devo dizer que fiquei decepcionada. Então ele continuou com os beijos descendo pra minha barriga, conforme ele descia, mais eu me sentia estar saindo do mundo.  Mal percebi e seus lábios estavam tocando o interior de minhas coxas. Oh, mais uma vez não pude reprimir um gemido, porque isso estava acontecendo? Eu me sentia como se não tivesse mais controle do meu próprio corpo.

            E então quando eu pensei que Harry havia acabado, ele abriu minhas pernas e me beijou , senti meu corpo inteiro estremecer numa sensação espetacular, ele começou a lamber e eu não sabia que aquilo poderia ser tão bom, sem que eu tivesse noção alguma do que estava fazendo, meus quadris começaram a se mover em direção a sua boca e eu levei minhas mãos ao seu cabelo puxando-o para mim. O que estava acontecendo comigo? O que estava acontecendo com meu corpo? Sua língua parecia me invadir feito um furacão, ele me lambia e chupava e eu não sabia qual dos dois era melhor. Eu sentia que o mundo estava prestes a desabar, mas então mais uma vez Harry parou. Eu sentia minha boca seca, não sei se ele imaginou isso mas veio me beijar novamente. Seus lábios não tinham o mesmo gosto de antes, estavam salgados agora. Ele tirou a boxer que vestia e só então pude perceber algo duro sobre minha intimidade. Ele se levantou de cima de mim e eu fiquei me perguntando se já havia acabado. Mas ele apenas pegou algo de dentro do bolso da calça e abriu a embalagem. Caminhou de volta e se deitou ao meu lado na cama me olhando como se estivesse querendo ter certeza de que eu não me arrependeria.

- Eu sei o que eu quero Harry. -sussurrei com um sorriso-

            Ele me retribuiu o sorriso e então pude ver enquanto ele colocava o conteúdo do pacotinho sobre seu... Vocês sabem. Então ele afastou minhas pernas e se encaixou no meio delas, eu sentia seu membro roçando minha intimidade e contive o desejo de mover meus quadris novamente. Ele me olhou, e pude perceber que seus olhos nunca haviam brilhado tanto assim.

- Isso vai doer um pouco então vou me sentir melhor se você de alguma maneira me fizer sentir dor também. Então não se acanhe em me arranhar ou me bater, não vou me importar. Se eu te machucar de alguma maneira quero que me fale e eu vou parar na mesma hora.

           Meu Deus, esse homem existia mesmo? Nós ali nesse momento tão gostoso e ele estava preocupado em me machucar. Eu assenti mesmo assim e não parei um momento sequer de olhar no fundo de seus olhos. Então devagar e delicadamente eu o senti me preenchendo por dentro. Sim, doeu. Mas só de saber que naquele momento éramos um só, nada mais importava pra mim. Eu fechei os olhos tentando me controlar só que mais uma vez um gemido me escapou. Harry continuou dentro de mim por um momento e então começou a se mover para dentro e para fora de mim bem devagar. Era como se fossemos um encaixe perfeito, porque por mais da dorzinha que eu ainda sentia, eu preferia tê-lo dentro de mim pra sempre. Eu arranhei suas costas assim como ele pediu e Harry continuou com movimentos de vaivém, a essa altura eu já não sentia nada a não ser... Prazer? Meus quadris se moviam de encontro a Harry e agora sim eu posso dizer que não tinha mais controle sobre meu corpo. Os gemidos me escapavam e eu nem me preocupei mais em detê-los pois o que eu sentia a cada investida de Harry, me fazia pensar que entraria em convulsão. Senti meus músculos ficarem tensos e eu queria chorar, estava em êxtase. Mas não chorar de um jeito ruim, chorar de um jeito bom, um jeito maravilhoso na verdade. Eu estava subindo tão alto que nem podia imaginar, e então com uma ultima investida de Harry, eu cheguei ao céu deixando-me cair na cama incrivelmente esgotada. Ele parecia sentir o mesmo já que caiu ao meu lado com a respiração falha.

       Depois de algum tempo olhando para o teto do quarto, Harry se levantou. Ele não cansa não? Será que ele ia embora? Será que ele não tinha gostado? Eu fiz algo errado? Só que mais uma vez ele apenas pegou algo do bolso de sua calça. Dessa vez não era um pacote e sim uma caixinha azul. Ele caminhou até mim e se sentou na cama me forçando a sentar também mesmo com as pernas moles.

- O que é isso? -perguntei curiosa-
- Seu presente. -ele respondeu com um sorriso tão grande que acabei sorrindo também.
- Mas você disse que só ia me dar em um momento especial!
- E você quer um momento mais especial do que esse? -ele perguntou com os olhos marejados-

         Eu sorri diante da sua demonstração de afeto e meus olhos se enxeram de lágrimas igualmente. Ele virou a caixinha pra mim e a abriu mostrando um anel prateado com uma pedra em cima que reluzia até as paredes do quarto meio escuro. Era lindo e nesse momento eu realmente cai em lágrimas.

- Harry, é lindo! -falei maravilhada e pulei em seu pescoço abraçando-o-
- Sabia que você ia gostar, assim que vi pensei em você.
- É maravilhoso, nunca vi nada igual.
- É um sinal do nosso amor, pertencemos um ao outro.

          Ele pegou a caixinha e retirou o acolchoado de cima revelando um outro anel prateado por baixo, mas esse não tinha a pedra brilhante, era como o meu mas liso. Ele colocou no próprio dedo da mão direita e depois pegou o meu colocando no meu dedo.

- Agora somos oficialmente namorados. -sorriu todo orgulhoso- Dia 18 de dezembro ficará pra sempre na nossa história. Eu amo tanto você meu amor...

            Eu ainda chorava, não sabia o que dizer, aquele momento não podia ser mais perfeito. Harry me olhou sorrindo e falou:

- Pare de chorar, não sei o que fazer quando você fica assim toda chorosa. Acho que é mal de homem.

         Tive que rir do seu comentário.

- É assim que eu gosto. -falou acariciando meu rosto e me beijando-

         Me aninhei em seus braços com a cabeça em seu peito, dormi sentindo sua respiração e ouvindo as batidas de seu coração[...]

         Acordei no meio da noite suando feito um porco, havia tido um sonho horrível com Marvin me perseguindo. Enrolei-me no lençol e desci da cama, Harry dormia feito um bebê. Caminhei até a janela de meu quarto e dei uma leve abrida na cortina olhando as luzes da Cidade. Olhei para o anel na minha mão direita e sorri me lembrando das palavras de Harry. "Oficialmente namorados", hoje com certeza é o melhor dia da minha vida, 18 de dezembro... Espera! 18 de dezembro! Na mesma hora o sorriso se esvaiu do meu rosto e meu coração bateu mais forte. Era amanhã... A data que estava no bilhete de Marvin marcava 19 de dezembro.

        Lágrimas escorreram pelos meus olhos, o que eu iria fazer? Sair por aí sozinha procurando pelo endereço sem saber exatamente o que me esperava? Ou ficaria esperando até que algo ruim de verdade acontecesse? Acho que nunca me senti tão em dúvida assim antes, mas de uma coisa eu sei: não posso deixar que nada de ruim aconteça com aqueles que amo, mas também não posso me arriscar assim tão facilmente. O que faço? Levei um susto quando Harry tocou meu braço.

Harry P.O.Vs

          Acordei passando a mão do outro lado da cama e estava vazio, me sentei esfregando os olhos e vi (Seu Nome) do outro lado do quarto em pé olhando pela janela. Me levantei devagar pra não assustá-la e caminhei em sua direção, ela estava de costas pra mim de maneira que toquei em seu braço para olhar em seu rosto e me assustar vendo que a mesma tinha lágrimas nos olhos.

- Está chorando? -perguntei sentindo um calafrio me percorrer-

          Ela enxugou o rosto rapidamente e negou com a cabeça, porque estava tentando esconder de mim? Na mesma hora um pensamento me percorreu e eu a segurei pelos ombros olhando-a sério, perguntei-

- E-Eu... Machuquei você? É isso? -engoli em seco esperando sua resposta-
- Não não Harry, não é nada disso. -ela falou chorando mais ainda-
- Então o que é? -perguntei desesperado-
- Eu só... Só estou muito emocionada com a noite de hoje, foi tudo tão... Perfeito! E aí eu olho pra essa aliança de compromisso no meu dedo e sinto mais vontade ainda de chorar.

           Um alívio me invadiu. Sorri e a abracei:

- Eu entendo, também estou muito feliz com a noite de hoje. Mas não precisava acordar no meio da noite só pra ficar namorando seu anel né? Vai ter tempo suficiente pra isso.
- Eu sei, desculpa.

          Levei-a de volta para a cama e a segurei em meus braços como se minha vida dependesse do seu corpo junto ao meu, e acho que depois de hoje, eu não estava tão longe de depender dela pra sobreviver.

Demorei mas postei kk Mas ficou bem grandinho né? Espero que tenham gostado, não sou boa com HOT mas me esforcei bastante pra escrever esse capítulo, então espero que comentem mesmo que não esteja bom preciso que comentem dizendo porque daí posso me esforçar mais e melhorar. Eu sei que já está no final mas nunca é tarde pra melhorar né? Ah já ia me esquecendo, coloquei Gardênia no wattpad, se puderem favoritar eu agradeceria. Amo vocês, beijo. -Deh♥

29 de janeiro de 2015

FLAWLESS 2º Temporada - 9




"and he has the cutest smile" Zaynie


INGLATERRA

Eu e Zayn finalmente chegamos em casa, depois de uma longa viajem eu estava morta de cansaço, queria apenas deitar na minha cama e dormir.
Tomei um banho, e acho que Zayn tomou banho no outro banheiro, coloquei uma camiseta confortável e me deitei na cama.

- Lar doce lar - Zayn disse se deitando
- amanhã é sábado, passa o final de semana, vida normal novamente
- precisamos voltar pra realidade uma hora - riu
- mas estava tão bom - sorri
- eu sei, eu estava adorando - me puxou pra perto - mas prometo que vou tentar ter mais tempo com você
- não prometa, apenas cumpra - acariciei seu rosto
- eu vou cumprir, confia em mim
- eu confio
- ah, tenho uma surpresa pra você - riu
- o que é?
- lembra quando eu, Marcos e o Henrique saímos sozinhos?
- lembro
- fiz uma tatuagem - mostrou a costela
- está em Árabe, não entendo - me sentei e ri
- sorriu - está escrito "flawless" (perfeito, perfeição)
- por quê?
- é em homenagem a única pessoa perfeita que eu conheço - sorriu

As vezes eu o amava tanto que doía, e esses momentos são ótimos exemplos, eu tenho certeza que meus olhos brilhavam tanto que eu mal podia falar, o encarei e sorri.

- sabe... olha, escuta bem, porque sabe como eu sou, não gosto de falar essas coisas melosas o tempo todo e não vou repetir
- tudo bem - riu
- suspirei - eu te amo... muito, que dói, e fazem três anos, e ainda continua do mesmo jeito - acariciei sua tatuagem - porque seus defeitos são grandes, mas suas qualidades são o triplo, e todos os dias você faz questão de mostrá-las, e sabe qual é o melhor? só eu sei suas maiores qualidades, porque você se esforça ao máximo pra mostrar todas pra mim... por isso que eu te amo

Zayn não disse nada, apenas segurou minha mão livre, a levou até seu peito na região do coração, batia tão forte que parecia que ia pular pra fora, sorri novamente e o beijei, afinal, ele nem precisava falar nada, eu já sabia o significado. Voltei a me deitar e ficamos nos encarando um pouco.

- queria que esses momentos que a gente durassem bem mais - ele disse depois de um tempo de silêncio 
- são bons porque são pequenos  
- me abraçou - agora vamos dormir, porque estou cansado, poeta
-ri - eu também - desliguei o abajur - boa noite, Zayn 
- boa noite, Sky...

DIA SEGUINTE 

Acordei já estava um pouco tarde quase meio dia, me levantei, fiz minhas higienes , desci as escadas até a cozinha, Zayn estava pregando um prego na parede (?)

- o que está fazendo? 
- vou pendurar seu quadro, acha aqui legal? - mostrou o lugar 
- sorri - acho que vai ficar ótimo 
- na mesa de centro tem algumas comidas que eu peguei, se estiver com fome - disse e voltou a atenção a parede 

Peguei um pedaço de bolo que havia ali, e me aproximei dele que terminava de pendurar o quadro, quando ele terminou me aproximei e abracei suas costas, ele estava sem camiseta, então pude ver sua tatuagem novamente, e não tinha como olhá-la e não sorrir.

- até que combinou com os outros quadros - comentei
- tenho um ótimo gosto - se virou e me encarou 
- e um ego maior ainda - ri e depositei um selinho em seus lábios 
- só um detalhe - piscou - acho que vou querer ficar o dia todo em casa 
- eu também, saudades de casa, mas lá estava tão bom - sorri 
- tenho que concordar - campainha tocou - já até imagino a pessoa que não deve ter aguentado ficar uma semana sem nós dois
Does It Ever Drive You Crazy
- uma pessoa barulhenta, eu imagino - falei indo até a porta e a abri - Louis! 
- Sky - me abraçou - que saco, fiquei com saudades de você 
- e de mim nada né -Zayn reclamou 
- bro, você fez falta - foi até ele - porque conheci sua prima e demorou bem mais do que deveria 
- você não...
- ah, eu sim - sorriu 
- você é nojento 
- também senti sua falta - pulou em seu colo 

Louis é pequeno, no máximo dois dedos maior que eu, então a cena ficou por um momento adorável, tenho que admitir. 

- sai - Zayn disse 
- eu queria ser legal - saiu de perto dele - assim você me magoa 
- também senti sua falta, Louis 
- melhorou.. E o Brasil? Se divertiram? Tiraram fotos? O que fizeram? Vi a foto que você postou aliás sua prima é uma gata 
- mas você quer atacar todas as primas em - Zayn riu e se sentou 
- eu não quero deixar escapar nenhuma - piscou 
- bem, foi super divertido - o respondi - tirei fotos depois te mostro, é tudo lindo, você precisa ir - sorri - pulamos de paraquedas 
- sério? Não acredito que fez essa menininha que é o Malik pular de paraquedas
- não acredito que você tem coragem de me desrespeitar na minha própria casa
- não tem lugar pra fazer isso - ironizou - bem, só passei aqui pra dar um oi 
- já vai? - me sentei - mal chegou 
- tenho alguns assuntos a tratar 
- Louis use camisinha - Zayn disse 
- sim, senhor - riu - tchau gente, estou atrasado pra variar 

Nós despedimos e ele foi embora.

- será que ele fica um dia sem transar? - me perguntei
- acho que só as quintas e segundas - riu 
- não sei como nenhuma garota apareceu grávida dele 
- ele é mais esperto do que parece - me abraçou de lado
Zayn ♥

Meu celular começou a tocar.

- que preguiça - estiquei minha mão e peguei o celular - ah, meu pai 
- que ótimo - ironizou - sempre alguém pra estragar tudo 
- Zayn 
-  não me desculpo 

Revirei os olhos e atendi.

- pai? 
- filha... Tudo bem?
- claro e com você?
- não... fui preso
- como assim? preso?
- suspirou - sua irmã desviou dinheiro da empresa, não queria que ela assumisse a culpa, mas eu não pensava que era tão grave
- como você foi assumir uma culpa que é dela?
- como eu disse, eu pensava que era algo pequeno
- onde você está?
- delegacia próxima de casa, acho que vou ter que ficar aqui por um dia
- suspirei - vou resolver isso
- como?
- sua filha vai assumir toda culpa, e você saí
- obrigado - disse baixo
- fico feliz que me ligue quando apenas precisa - eu disse irônica
- Skyler...
- tchau, pai

Desliguei o celular e suspirei. Como ele pode ser tão duas caras? Ser uma pessoa tão boa e ao mesmo tempo tão má.

- o que houve? - Zayn perguntou
- meu pai está preso, a culpa é da minha irmã, e agora que ele precisa de alguém, adivinhe pra quem ele liga? pra mim
- esse cara é inacreditável
- bem, vou ajudá-lo - me levantei
- como? Skyler, fala sério - segurou minha mão.
- é o meu pai, Zayn - o encarei
- faz três anos que você usa essa desculpa e eu tenho que te dizer uma coisa, não é porque ele é seu pai que virou um santo
- só quero... que ele volte ser meu pai como antes

Meus olhos ficaram automaticamente marejados, tenho que admitir que sinto falta do meu pai de antes, que me apoiava, e queria meu bem. Zayn se levantou e me deu um rápido abraço.

- só não esqueça o que eu disse - me encarou - faça o que achar certo
- eu vou fazer - sorri e o beijei - vou me arrumar

Subi correndo as escadas, tomei um rápido banho, coloquei uma roupa, e fui até a porta, joguei um beijo pra ele e saí de casa.
Fui até o carro, então antes de dirigir, tudo que Zayn me disse me veio a mente... talvez ele tenha razão.
Decidi mudar o que estava pensando, fui direto para a delegacia. Depois de um tempo, cheguei, pedi pelo nome do meu pai, e estava em hora de visita.
Me sentei na cadeira e esperei por ele, que não demorou para que aparecesse, veio até a mesa e se sentou de frente pra mim.

- falou com sua irmã? - perguntou
- não, quero falar com você... falei um pouco com o advogado, ele disse que até a noite você consegue sair
- mas... você disse que...
- eu vim falar com você, pai... por que está sendo tão rude comigo?
- como assim?
- é... rude, péssimo, todos os ruins adjetivos que você pensar
don't let go
- porque você está com um cara sujo feito o Malik
- eu estou com a melhor pessoa do mundo, você que está sendo sujo todo esse tempo
- filha...
- sinto sua falta - o interrompi - queria que fosse compreensivo, que parasse por um momento com tudo isso
- você é minha garotinha - olhou nos meus olhos - não quero que uma pessoa feito ele tire você de mim, quero te entregar no altar para um homem de verdade
- se você tivesse ideia o quão maravilhoso vem sendo esses anos... só não é melhor porque você não deixa
- eu queria aceitar e fingir que está tudo bem, mas eu não consigo
An image on imgfave
ignora legenda do gif
- você nem tenta!
- está falando assim por causa...
- o interrompi novamente - não tem uma causa... eu sempre fui assim, sempre fui diferente do que toda a família esperava, se você quer um espelho, tem minha irmã, eu não sou um espelho... - me levantei - o advogado vai te tirar daqui
- Skyler... se me abandonar agora, não tem mais volta
- o encarei - e se você for meu pai mesmo, vai saber que estou fazendo o certo... e você? me abandonou a muito tempo

Saí da sala sem olhar pra trás, fui até o carro e na frente dele encostado, estava Zayn. Ao mesmo tempo que fiquei feliz, não gostei porque queria apenas chorar sozinha, não gosto de fazer isso perto de ninguém.
Engoli o choro e me aproximei dele.

- o que faz aqui? - perguntei
- achei que fosse precisar de mim
- por que achou isso?
- imagino que a conversa não tenha sido agradável - acariciou meu rosto
- ele... me abandonou de verdade, agora não tem mais volta
- ei... olha pra mim - o encarei - eu nunca vou te abandonar, se ele te amar mesmo, vai voltar

O abracei e ele logo correspondeu, encostei minha cabeça em seu peito e deixei que as lágrimas caíssem, ele acariciou meus cabelos e continuou ali comigo.
Talvez eu ainda não tivesse notado, mas agora estava nítido. Ele não mudou sua essência, mas mudou, no jeito de me tratar, e principalmente, agora eu tinha certeza que ele estava comigo agora mais do que nunca.

- obrigada - eu disse baixo
Resultados da Pesquisa de imagens do Google para http://28.media.tumblr.com/tumblr_ljd2j57nBC1qi7quqo1_500.png
- não agradece, eu sei que faria isso e muito mais por mim

E eu faria com certeza, sem pensar duas vezes.

- vamos pra casa? - perguntou
- vamos, preciso voltar pra casa me sentar no sofá, ver um filme clichê idiota e comer todas as besteiras da casa
- riu - não vou deixar você ficar assim - me beijou - deixa que eu dirijo - pegou as chaves da minha mão
- certo

Ele dirigiu e ficamos em silêncio o caminho de casa inteiro.
Eu estava me perguntando por que de tanta emoção? não sou tão emocional assim, mas parece que não estou conseguindo controlar os sentimentos, é estranho...
Quando chegamos em casa, tomei um banho, coloquei um pijama e fui até a sala, Zayn estava sentado no sofá vendo tv, ao me ver, bateu do seu lado do sofá para que eu me sentasse e assim fiz.
Zayn passou seu braço pelo meu ombro, e eu abracei sua cintura.

- quer pedir pizza?
- se você quiser pedir - eu disse indiferente
- você fica tão animada com pizza - comentou
- foi mal... é que eu não sei o que está havendo, de verdade... parece que isso mexeu muito comigo
- vai ficar tudo bem - me encarou - isso vai passar e tudo voltar ao normal
- mas eu queria mudança, queria que ele aceitasse tudo, que ficasse tudo bem
- sobre isso, eu realmente não posso fazer nada, se eu pudesse eu faria
- sorri - não tem nada com você, meu amor - o beijei - só preciso descansar e esquecer o que houve hoje
- tudo bem - beijou meu rosto

DIA SEGUINTE

ZAYN MALIK P.O.V.

Foi horrível ver o resto da tarde e a noite, Skyler daquele jeito, não me lembro a última vez que vi ela de tal forma. Não queria deixá-la assim.
Acordei mais cedo, tomei um banho, coloquei uma camisa social, uma calça e sapato.
Olhei para cama e ela ainda dormia. Desci as escadas, peguei minhas chaves e fui até o carro.
Pra onde eu vou? Residência Diamond, porque comigo sempre foi assim, se alguém tem algum desentendimento comigo, fale então pra mim, e eu posso resolver isso (normalmente eu sou rude a ponto de fazer a pessoa quase chorar, mas no caso do senhor Diamond seria diferente, eu acho).
Ao chegar, estacionei a porta, e apertei a campainha. Sua empregada atendeu, passei direto por ela, que perguntava que eu era, a ignorei e olhei em volta.

- Senhor Diamond? aparece logo, é o Malik, estou na sala! - eu disse

Escutei passos, e logo o vi descendo as escadas, sua cara de desgosto me olhando não me atingiu nem um pouco.

- que foi? o café da manhã estava ruim? - perguntei irônico
- se veio pra me provocar - ficou de frente comigo - eu vou chamar os seguranças
- provocá-lo é só uma das coisas que eu quero fazer, podemos conversar no seu escritório?
- da última vez que aceitei sua proposta me arrependi muito
- vamos logo, para de nostalgia - eu disse andando até o escritório
😻😻😻😻😻😻😻😻😻😻😻😻😻😻😻😻😻😻😻😻😻

Mesmo hesitando ele me seguiu, ao chegar me sentei na cadeira, ele fechou a porta e se sentou de frente pra mim. Apenas a mesa nos separava, mas eu juro que tenho vontade de bater nele, mas tenho que me controlar.

- o que veio fazer aqui? se gabar que conseguiu ficar com minha filha?
- ela está comigo porque quer, não trate ela como um objeto que estamos brigando feito duas crianças
- riu sarcástico - olha quem fala
- já fazem três anos, mas quer saber? estou pouco me fodendo se você gosta de mim ou não
- e ainda por cima usa vocabulário baixo comigo
- eu falo do jeito que eu quiser - suspirei - só me importo com a Skyler, ela não tem culpa de gostar de mim e você não aprovar
- você é patético - ironizou e se levantou

Quem ele pensa que é? - me perguntei
Me levantei ao mesmo tempo, fui até ele e o segurei pela gola.

- você vai sentar na porra dessa cadeira, e me escutar, eu aceito não concordar comigo, mas me desrespeitar eu nunca vou aceitar
- com quem acha que está falando?
- e você? - apertei a gola da camisa - com quem acha que está falando?
- me solta ou...
- OU O QUÊ? Senta nessa cadeira logo, eu só quero conversar
- tem certeza?
- tenho - o soltei - acho que podemos conversar normalmente agora - sorri

Voltei a me sentar, e apontei para a cadeira, para que ele se sentasse também, com receio ele se sentou.

- ainda me pergunta porque não quero ela com você
- eu nunca encostaria um dedo na Skyler, não bato em mulheres, principalmente na minha
- o que eu faço? te recebo na minha casa e peço uma salva de palmas? - ironizou
- quero que trate a sua filha, como uma filha e olha... ela merece isso de você

Então finalmente consegui que ele não me retrucasse com sua ironia imbecil.

- ela... escolheu você, não posso fazer nada
- não pode fazer sua filha escolher entre o pai e um amor, ela quer os dois, porque é o que todo ser humano quer
- se fosse sua filha...
- se fosse minha filha eu aceitaria ela como ela quer, porque ela é maior de idade, se um dia eu tiver uma filha vou amá-la independente das suas escolhas
- suspirou - eu odeio o fato de você saber convencer muito bem as pessoas
- sorri - é eu nasci com esse dom - ri baixo - não quero que me aceite, não faço questão, mas ela quer ser aceita como ela é, e não vai mudar porque você quer
- eu sei, eu criei ela assim - suspirou - só queria que ela me escutasse uma vez e visse que você é um erro
- se eu fosse um erro não estaríamos juntos três anos, e eu estivesse a cada dia mais apaixonado por ela
- quer saber? eu errei em falar com ela daquele jeito todo esse tempo, mas eu não vou gostar de você nem que me pague
- não faço questão nenhuma - me levantei - mas que bom que voltou atrás com ela, com licença
- Zayn?
- sim?
Untitled
- se continuar assim, talvez eu te chame pra jantar, mas pode ter certeza que vou servir um prato que você odeia
- ri - talvez seja um bom começo, vou indo

Saí de sua casa, e me sentia bem melhor, acho que Skyler ficaria mais feliz.
Voltei pra casa, e ela estava na cozinha preparando algo com um sorriso no rosto.

- por que o sorriso no rosto? - perguntei
- meu pai mandou uma mensagem, disse que se precipitou, e que pede mil desculpas e que me ama... fazia dois anos, que ele não dizia que me amava
- sorri - eu fico feliz - a beijei
- e eu mais ainda - me deu vários beijos - fiz um lanche pra você que gosta, e onde estava?
- fui resolver um probleminha, nada de mais, e passei na frente da empresa pra ver como estava
- okay - sorriu - vamos tomar café, que é o melhor pra fazer nessa bela manhã - riu

CONTINUA... 

CONTINUO COM 9 COMENTÁRIOS
--------------------------------------------------------------------------------------------------------
OI OI!! 
COMO VOCÊS ESTÃO? 
Desculpa a demora pra postar, estava caçando umas ideias aí, espero que tenham gostado do capítulo, comente o que achou, é isso amores, amo vocês, beijos <3 - mi 


♠ Rocket Love- Capítulo 20: Nada seria igual ♠

~ Narradora ON~ 



As férias foram sem dúvidas surpreendentes para alguns alunos de Wolverhampton, nada havia sido como o planejado e talvez isso tenha feito com que fosse inesquecível.

Mallu viveu os dias mais loucos de sua vida, depois que Louis se juntou à dupla, os três aproveitaram juntos. Ficaram na casa de Harry, saíram todas as noites. A menina ligou para sua família um dia após ter saído de casa, levou a maior bronca de sua vida mas apenas disse que estava bem e desligou. Não ligou mais durante uma semana inteira.

Não conseguira ficar sozinha com um ou outro por muito tempo, sempre estavam os três, os três no cinema, os três escalando no fim de semana, os três acampando no quintal de Styles, os três curtindo suas férias sempre juntos. Como amigos. Apesar que por parte deles isso já não era a mais tão verdade. Os olhares dos garotos para Malu não deixavam sair de sua lembrança que sim, não era ilusão, nem mais um de seus pensamentos que a perturbavam, ela havia se envolvido romanticamente com ambos amigos.

Um dia após fazer uma maratona de filmes de terror na sala, os seus amigos adormeceram e ela os observou por muito tempo. Pensando em como seria sua vida se nunca tivesse os encontrado. Provavelmente uma grande porcaria. Apesar dos pesares foi no internato que pode os conhecer e viver diariamente com eles. O único lugar que permitiria isso. Então apenas foi até o telefone da residência e ligou para seus pais. Comemorou internamente quando seu pai atendeu, ele era exigente também mas nem se comparava ao modo que sua mãe a cobrava. Rapidamente disse firme:´´ Vou voltar para Wolverhampton depois das férias.´´

Seu pai obviamente estranhou já que a garota havia anteriormente lutado contra voltar. Porém a entendeu, e como sabia que seu lar sempre estaria em pé de guerra até que ela voltasse para o internato, concordou prontamente. Até mesmo disse que arrumaria as malas da filha e enviaria para Wolver e que conversaria com a diretora. Por mais que para ele e sua mulher May Lucianne fosse um caso extremo de rebeldia, suas notas no internato diziam o contrário. Ela sempre manteve suas médias e isso talvez a ajudasse a retomar sem tantos problemas.

Após a ligação, May voltou para a sala, olhando para aquelas duas faces que amava tanto, desejou os ter daquele jeito para sempre, somente os dois e ela, sem mais ninguém entre eles, isso não seria possível em Wolver, ela sabia. Mas era lá o lugar deles. Não se esquecera em parte alguma do que viveu lá, porém estava disposta a voltar, se isso fizesse com que ela estivesse perto de quem mais ama.

Outra coisa veio em sua mente, era oficial, ela estava entrelaçada a Louis e a Harry. Havia beijado e os enfiado em uma trama de sentimentos amorosos. Eles nunca iriam perdoa-la por ficar com os dois ao mesmo tempo. Porém já mentira outras vezes. E se fosse para ficar com os dois ela o faria. Mentiria. Não estava disposta a abdicar da companhia de um ou de outro. Eram os dois. Não  dava para escolher. E assim seria até que não fosse mais.



~ LIAM PAYNE ON~ 

spoiler, Liam está deixando de ser um garotinho indefeso


Não era fácil esquecer das agressões, dos xingamentos. Não era fácil lembrar daquelas palavras ´´Assassinato culposo´´. Não era fácil pensar no sofrimento. Não era fácil fazer isso e mesmo assim beijar aquela boca. O que não era realmente fácil era suportar o temor por mim mesmo por gostar daqueles beijos, por ficar sedento por mais. Estava beijando a fonte do veneno da minha vida. E queria mais? Só podia estar louco.

Louco por vingança.

Não consigo entender o porquê dela parecer outra pessoa quando estamos sozinhos aqui dentro desse internato. Os dias ao seu lado eram como se nós não fossemos realmente a caça e a caçadora. Fazíamos coisas comuns, assistimos filmes, lemos em voz alta, na verdade eu fazia isso até que ela dormisse.

Na verdade, não entendi muito bem quando ela disse que não dormia de noite. Quem não dorme de noite? Então passei a lhe fazer companhia e li para que ela dormisse. Como se fazem com crianças. Eu a via como uma criança as vezes, o que parece não fazer sentido se fosse pensar nos seus olhos selvagens e nas crueldades que ela fez.

Porque eram sim crueldade, por mais que quando nas poucas vezes que falamos disso, ela apenas disse, era o que precisava fazer por dinheiro ou era só brincadeira. Não, não era. Quando ela machucava as pessoas parecia ter uma satisfação interna e particular em fazer aquilo. Como se provocar a dor fosse o que gostasse. Bem, o que ela não sabe é que eu a farei sofrer do mesmo jeito que ela fez com tanta gente.

Tenho conversado pouco com Katherinne, e quando falamos é somente sobre os planos de vingança, sei que eles a fizeram sofrer tanto quanto a mim, não na mesma quantidade, mas Kath é mais frágil que eu e guardou isso em seu peito e isso a fere sempre que lembra.

- Oi Liam - vejo Angel acenando para mim enquanto ela sobe até a superfície da piscina.

E a ensinei a nada, foi difícil mas consegui. Certa vez que ela boiava pensei em afoga-la... Porém não queria ter a mesma acusação que ela em minha ficha. Por mais que ela merecesse isso.

Ela sai da piscina, está com um maiô, fica bonito nela. Seus cabelos molhados pendem para a lateral de seu rosto e vão até metade sua barriga. O corpo dela é bem atlético, deve ser de tanto correr atrás de mim para me bater.

Só senta ao meu lado. Não nos beijamos a cada minuto. Ainda é difícil para mim fazer isso e digamos que ela não é a pessoa mais afetiva e grudenta do mundo. Então graças ao bom lord na maior parte do tempo apenas conversamos e vou ganhando sua confiança e entrando na vida dela a cada momento.

- As férias acabam daqui a três dias. - ela diz parecendo ter algo a mais em sua voz. Ela me olha como se me perguntasse algo.

- Está animada para voltar? - eu falo aleatoriamente.

- Não mesmo. - ela balança a cabeça - Aulas chatas, pessoas chatas, se eu pudesse...

- Se você pudesse... - eu a encorajo e por algum motivo estranho, me sinto nervoso, realmente nervoso com o que ela vai falar porque de certa maneira já sei o que é.

- Queria que fosse desse jeito pra sempre. - ela fala baixo, bem baixo. E apesar de depois pensando bem achar que aquilo seria um inferno. Na hora eu apenas concordo e a abraço de lado, sem palavras para dizer.

Podiam não ser os piores dias da minha vida mas me sentia mal na maior parte do tempo por estar vivendo uma mentira. Então acho que não fui eu que passou esses dias ao lado de Angel, foi outra pessoa, coberta de desejos por vingança que apenas encenou. Quando eu era fofo e tirava flores para lher dar, não era eu. Quando eu a olhava de um jeito admirado, não era eu. Quando eu beijava sua boca, não era eu. Quando eu me declarava, definitivamente não era eu.

As férias acabaram, não falei sobre isso com Angel. Eu prometi que iria ficar com ela. Aparentemente ela acreditara e estava feliz com isso.
Queria aumentar seu nível de felicidade ao máximo que podia, assim quando a verdade viesse a tona, que tudo que disse era mentira, e ela estivesse tão envolvida que se sentiria perdida, eu a destruiria. De verdade. O seu nível de felicidade se converteria em tristeza ao cubo.

Tudo estava em linha reta, cada detalhe do plano. Porém um dia recebeu uma ligação que mudaria o rumo de tudo.

´´ Sim, sou Liam, quem deseja?´´

´´Detetive Jonhson falando´´.

Nada seria igual.

No dia que os alunos chegaram, meus olhos estavam atentos, estava ansioso, esperava por ela. Assim que a vi, seus cabelos claros, seus olhos doces e inocentes, quase não me aguentei dentro de mim. Lá estava minha Katherinne, a garota que eu tinha que amar, a garota que amava e que eu deveria proteger.

Corri até ela e a abracei.

- Liam, pare, e se a Angel ver? Tudo vai acabar e não é assim que queremos - ela falou logo se livrando do meu abraço e olhando para os lados.

- Me desculpe, eu só estava com saudades. Muita. - eu falei quase a repreendendo.

- Eu sei meu amor, também estava, resumo minhas férias a pensar em você - ela disse e eu senti meu peito se encher de amor.

- Vamos para um lugar reservado então? - eu pedi, quase implorei. Precisava tê-la em meus braços. Ela concordou com a cabeça.

Então logo estávamos no seu quarto, onde ninguém nos veria. Então pude beijá-la. Comecei devagar sentindo cada parte de seus lábios e logo aprofundei. Me senti estranho. Não parecia certo. E então aquele rosto apareceu em minha mente, logo depois aquelas lábios avermelhados e carnudos sendo mordidos, uma mania tentadora. Eram os lábios de Angel.Isso não podia estar acontecendo. Parei o beijo.

- Que foi? - Katherinne perguntou desapontada, me senti um idiota.

- Nada, me conte de suas férias. - falei mudando de assunto.

E então conversamos um pouco e logo a deixei sozinha para que tomasse banho e descansasse, afinal as aulas começavam na manhã seguinte.
Segui para meu dormitório.

Entrei no meu quarto, me sentindo vazio de alguma forma mas aquilo acabou quando a vi em meu quarto, me assustei mas logo passou quando vi seu sorriso. Ela rira de meu susto. Sempre sádica. Estava deitava em minha cama.

- Desculpe... - aqueles lábios se mexeram- Não queria assustá-lo - o modo como os lábios se movimentavam, como ela falava... Eram como imensas chamadas e chamavam, clamavam por meu nome.

Eu fui, atendi a chamada, me joguei em cima dela sem esperar que mais nenhuma palavra saísse daquela boca tentadora. Beijei-a como se minha vida dependesse daquele simples beijo.




Nossas línguas bailavam um som suave e cheio de paixão, era lento, entorpecente, não queria parar, queria que todo o oxigênio do mundo participassem daquele momento para não ter que parar.

Porém o ar faltou, obviamente. E então respirei e a beijei novamente com a mesma ou até mesmo maior intensidade. Meu corpo sentia e se movimentava e eu já não tinha mais consciência de nada. Passei a mão nos seus quadris e logo depois a apalpei, ela tremeu sob mim. Comecei a distribuir beijos e mordidas por seu pescoço e seus gemidos baixos já haviam despertado minhas partes mais baixas. Logo depois passei a mão em seus seios mas algo aconteceu. Ela me empurrou tão rápido que me assustei.

- Vai com calma. - ela falou brava e eu me arrepiei. Fazia tempo que ela não falava assim comigo. Então ela olhou para minha calça, mais precisamente para meu membro super acordado embaixo dela. Era visível que queria mais. - Olha Liam, acho melhor eu ir.

- O que foi Angel? Vai me deixar assim? - eu falei irritado, eu estava excitado demais- Vai dizer que é virgem? Você só anda rodeada de garotos. Por favor...

Okay, foi uma estupidez dizer aquilo e qualquer garota me xingaria e me bateria com tapas sei lá. Mas o modo como Angel me olhou, era quase o mesmo olhar de quando falei do assassinato, ela parecia quebrada por dentro. Era como se eu tivesse falado a pior coisa para ela. Seus olhos ficaram vermelhos, de raiva talvez e lágrimas, muitas lágrimas, que não desciam, apenas se acumulavam ali. Ficamos uns três minutos em um silêncio tenso.

Ela se levantou para ir embora mas eu a segurei pelo braço.

- Me desculpa Angel, por favor, eu não quis dizer isso. - falei com peso nos meus ombros - Não vá embora por favor. - eu implorei. Mas ela não disse nada, se livrou do meu toque e foi embora.

Tinha estragado tudo. E não foi porque Angel me viu com Katherinne ou algo assim. E sim porque não consegui controlar meus desejos? Não consegui me manter consciente, não consegui resistir? O que eu estava fazendo? Decidi não pensar mais nisso. Tomei um banho e fui dormir, amanhã começavam as aulas e precisava estar bem disposto.



~ Narradora ON~




Angel saiu do quarto de Liam e fora direto para seu dormitório, se sentia uma idiota por estar chorando por aquela besteira. Mas é que as palavras de Payne a levaram para um lugar sombrio que ela odiava voltar. Sabia que ele não falara por mal porém aquilo a destruía de certa maneira. O garoto por quem era apaixonada dizer aquilo, faz com que se sinta perdida e abandonada outra vez.

Logo na porta a ala XX, lá estavam seus parceiros. Eram Drew, Niall e os irmãos Malik. Estavam até mesmo bronzeados, a garota enxugou os olhos antes de chegar até eles.

- E aí seus loucos? Como foi as férias? - ela disse falando com todos. Antes que pudesse dar mais dois passos, sentiu braços rodearem seus corpos. Era Zayn. Sabia só pelo perfume.

- Morri de saudade de você. - ele sussurrou em seu ouvido.

- Sei. - ela falou descrente. E cumprimentou os outros garotos. Menos Chadwick, a relação deles estava estranha.
Haviam brigado por telefone durante as férias porque Drew ligou para perguntar se ela ainda tinha drogas porque tinha um cliente. E a garota disse a verdade, que não tinha. Porém o loiro ficou furioso porque sabia que sozinha ela não conseguiria consumir, então achou que ela estava mentindo.

O que não sabia é que ela dividira drogas com Liam em um dia, e durante as férias ela jogou tudo no vaso sanitário. Porque ela não sabia. Somente fez.

Não foi só isso, Angel aumentou  briga com Chadwick, disse para ele não ficar arrumando briguinhas estúpidas no corredor quando voltasse das férias, senão mais uma vez eles teriam ênfase. Foi o bastante para que os dois se atritassem mais uma vez, a verdade é que eles já não se bicam faz tempo. Tinham objetivos de vida muito diferentes e tinha algo em Drew que Angel não suportava, sua grande capacidade der ser um mentiroso.

Nos primeiros meses que passou a andar com o clã, os dois criaram um código, algo que só os dois entendiam. Apesar deles passarem a maior parte o tempo lutando por mais poder, ele a respeitava, por ser a única garota que ele conheceu na vida que falava mais alto que ele em um briga. Então toda vez que Drew disse algo e usasse o ´´na real´´significava que ele estava falando a verdade. Apesar desse laço os problemas entre os dois eram numerosos e cresciam a cada dia.

 - Oi Angel, não vai falar comigo? - disse Drew sarcástico.

- Se eu não estou falando com você tem motivo. Por que vem me ligar e perturbar minhas férias? - ela falou brava.

- Ah qual é? Eu só queria fechar mais um negócio. Quanto mais grana melhor, precisamos dela. - piscou ao dizer.

Vocês precisam? - riu irônica – São todos uns filhinhos de papai, cheios da grana...Por favor – ela bufou

E para que você precisa? Nem sai desse lugar, nem compra roupas novas, nem compra produtos de beleza, não compra nada. Para que precisa? - Jake se meteu e questionou a garota.

Cuida da sua vida, Malik 2. - Angel falou por último, virou as costas e entrou na sua ala.

- Angel espera! - ouviu Zayn a chamar e logo ele estava ao seu lado. - Não fica assim com a gente, precisamos ter união, agora mais do que nunca.

- Por que Zayn? Quer saber eu acho que essa escrotice de ´´clã´´ já está na hora de acabar. Eu quero viver minha vida em paz. Já tenho uma grana guardada, acho que vou sair dessa.

- Para você é só isso né? - disse com a voz magoada.

- Z... Não fale como se fossemos amigos de infância. Nunca fomos, nunca vamos ser. - falou revirando os olhos e entrando em seu quarto.

- Você sabe que nós somos tudo que tem nesse lugar, nós que te protegemos, nós que ficamos do seu lado... E se isso que está dizendo tem alguma coisa a ver com aquele otário do Liam, juro que mato ele - falou sem entrar no quarto.

- O que? Não ouse ameaça-lo! - ela gritou - Eu só estou cansada de tudo! Dessa vida! Não quero mais. - desabafou.

Zayn se sentia fraco, não conseguia mais dizer nada. Só queria sair dali. Os sentimentos estavam um turbilhão e quando esbarrou com uma certa professora de francês no corredor, já sabia exatamente o que fazer para parar de pensar em Angel.

- Ahhh Zaynnnn, vão acabar nos pegando aqui - Madeleine gritou ao ser arrastada aos beijos para a salinha da limpeza por Malik.

- Cala a boca e fica de quatro! - ele mandou e ela obedeceu prontamente- Isso, sua piranha! Seja obediente, agora vou te fazer gemer meu nome até você desmaiar.

Então Zayn subiu a saia de sua professora e começou a acariciar suas partes por cima da calcinha e logo a tirou. Não demorou muito e ele já estava a penetrando, com força, ela gemia seu nome assim como ele previra anteriormente.

- Ahh vai come sua professora, vai! Vai! Vai! Assim! Ai gostoso! - A professora séria e dedicada gemia como uma profissional em outro ramo e isso fazia Zayn delirar. Pelo menos assim se distraia da realidade de suas emoções. Ele estava completamente iludido e apaixonado por Angel.

~ MALU ON~ 


Não consigo descrever a emoção de pisar nesse lugar novamente, alguns flash vem até minha mente me fazendo se arrepender da minha decisão de voltar, mas quando dois braços me seguram de um lado até outro sei que fiz a coisa certa.

Harry e Louis prometeram nunca se desgrudar de mim, eu não contei a eles toda a história. Fiquei com medo, medo deles irem atrás dos culpados, sei que é isso que eles fariam, mesmo sendo em menor quantidade e mais fracos. Iriam lutar por mim assim como eu lutaria por eles. Por hora, apenas disse que estava cansada do clã fazendo mal a nós e a falta de segurança em Wolver. Afinal, não sei se alguém lembra mas um dos alunos morreu a pouco tempo atrás. E parece que ninguém se importa mais. Eu sim. Naquele dia pensei que seria a segunda morte do ano.

Não dava mais para voltar atrás. Lá estava eu com minhas duas pessoas preferidas no mundo todo no meu lugar menos preferido do mundo todo. Mas espero que o que dizer de o que faz o lugar são as pessoas seja real, porque para mim só vou enxergar as pessoas que amo nesse lugar. Harry e Louis. Eu também amo minha amiga Katherinne, mas ela não me atendeu nas minhas ligações nas férias, queria avisá-la que estava bem, que voltaria. Mas não foi possível.

Enfim, Louis disse curtir meu novo visual, falou que pareço uma nova pessoa, mais livre e moderna. E não tenho dúvidas que ele está certo. Sou outra e pretendo aflorar esse meu lado livre e até selvagem. Moderna... Acho que ficar com seus dois melhores amigos ao mesmo tempo demonstra modernidade, ou talvez safadez, mas no fim das contas. Sou toda a mercê de meus desejos de agora em diante.

Eles me deixaram na porta do meu quarto, sei que ambos olharam para mim com algo a mais no olhar, como se dissessem ´´Deixa eu dormir com você´´. Mas não dava. Quanto ao segredo, fiz ambos ~em momentos separados obviamente~prometerem não contar nada um ao outro sobre o que tava rolando. Então se eles realmente honrarem a palavra, nem um nem outro saberá que estou tendo um caso com Larry. Sim, eu estou ficando com Larry. Parece um sonho.

É errado, é proibido. Mas parte de mim ama isso e vou viver intensamente o que está acontecendo na minha vidinha. Muita emoção para meu coraçãozinho, quem sabe se em um futuro eu viveria em uma casamento hiper sem graça com algum garoto santinho da igreja que meus pais arranjarem ~ Nem sob meu cadáver~ . Porém isso me levava a crer e acreditar em viver isso sem limites, intensamente. Não dava para sair disso, eu estava atolada dos pés à cabeça e por mim, me afogaria inteira.


Continua...

Não quis colocar muitos gifs nesse para não demorar mais a postar, eu estava sem internet, só voltou hoje <3

Malikisses, com mais de 25 comentários, eu continuo


✐Resultado da 1ª Fase do Concurso para Postadoras do Blog✐

Então meninas, mais uma vez o processo foi tenso, tinham realmente lindos talentos concorrendo. Alguns critérios foram levados em conta como por exemplo: Ortografia, Originalidade, Criatividade, entre outros.
Sem mais delongas, estas são as finalistas:::

ATENÇÃO SE TRATA DA PRIMEIRA FASE, agora as que passaram irão me enviar um e-mail ( adrielle-1995@hotmail.com  vou enviar uma mensagem confirmando o recebimento, qualquer dificuldade, vá no meu twitter @drirectioner ou pelo wpp 21983396007) continuando, um e-mail com seu primeiro capítulo até dia 15 de fevereiro, esse capítulo deve demonstrar as habilidades e importante, vender bem a história, capítulos pequenos ou grandes demais podem não ser o melhor caminho. Façam com que eu conheça bem a história mas deixem a curiosidade bater (Mas por favor, não sejam tão misteriosas, quero sentir a história bem)

email: adrielle-1995@hotmail.com
título do e-mail: seu nome + concurso 
Data de entrega final: 15 de fevereiro de 2015

Enfim, aí estão as finalistas ( Algumas tem mais de uma fanfic inscrita, se seu nome estiver aí, mande os primeiros capítulos de todas ou da que mais se sentir segura, na dúvida, capricha em uma só)

Nathália Cristye
Isabella Galaxe
Giovanna Espindola
Bia Versuri
Vitória Viana
Maria Ferreira
Larissa (tt @foolsstommo)
Ellen Vitória
Emanuelly Halinski
Vitoria Carolini
Brenda Lorrany
Almina Souza
Giovana Faria
Amanda Molina
Andressa Barbosa
Maria Elisa
Jamilly Eduarda
Maria Eduarda (tt @mariiaeduarda_2)
Beatriz (tt: @annabeatriiz1D)
Iasmin Schausse Ferreira
Mariana Magalhães
Anna Beatriz ( fic one day crazy)


Aí estão genteee, eu pretendo entrar em contato com todas mas se não der, espero que vejam isso a tempo
Malikisses <3333

~ daqui a pouco posto Rocket Love~


26 de janeiro de 2015

Longfic ☽ Destiny 2



👄🚬
- ela encarou Niall - mas eu só quero que uma pessoa acredite em mim

Niall ficou sem palavras, ele acreditava nela, o problema que ele sabe bem que não pode acreditar em ninguém, então apenas desviou o olhar.

- é isso o que vocês querem? me deixar em uma situação assim? - falou para os garotos
- não - Liam respondeu - mas não podemos confiar em ninguém você sabe
- quer saber? eu confio, e isso é problema meu
- não, é problema nosso, porque se essa garota falar alguma coisa, não é só você que vai pagar pena na cadeia - Louis disse

Ele olhou para o lado e o garçom com os pedidos estava olhando a situação sem entender.

- tá olhando o que? - Louis o enfrentou
- nada, senhor... aqui os pedidos - deixou na mesa
- obrigada - Seu nome o encarou e sorriu - desculpa a falta de educação dele
- tudo bem -sorriu e saiu
- não preciso de ninguém me justificando - a encarou
- acho que sim, porque sua falta de educação não é boa, estou tentando ajudar você - revirou os olhos
- não preciso da sua ajuda
- olha aqui - segurou na gola de sua camisa - se for ignorante comigo de novo, e continuar se achando o rei daqui, eu jogo esse café quente dentro das suas calças - o largou - eu não quero prejudicar vocês, porque o Niall é de verdade legal comigo, e eu não quero prejudicá-lo, vocês são ignorantes, parece que vivem na idade média, mas eu não vou ficar escutando desaforo de vocês, será que me entenderam?

Todos ficaram em silêncio, inclusive Niall que nunca lhe viu agindo assim, provavelmente porque nunca a tratou mal, ao mesmo tempo gostou da atitude dela, e pra surpresa de todos, eles simplesmente falaram um "sim" baixo.

- pronto, agora podem pedir algo pra vocês e comerem civilizadamente - ela disse mudando de humor e logo sorrindo
- mulheres me assustam mais que armas - Louis concluiu
- Niall riu - admita, vocês começaram, bem... será que está provado que ela é de confiança agora? - perguntou
- acho que sim - Harry disse
- me convenceu - Liam aceitou - mas tome cuidado
- com o que? - ela perguntou
Lily Collins Style | via Tumblr
- com o que fala, pode te comprometer


DIA SEGUINTE

SEU NOME P.O.V.

Acordei em um horário normal, tomei um banho e coloquei uma roupa. Estava me sentindo bem mais livre sem aquela muleta. 
Fui até a cozinha pegar algo pra mim comer, depois de um tempo a campainha tocou, abri a porta.

- Niall - sorri - pensava que não viria mais
- se engana bastante - disse entrando - então o que estava fazendo?
- tomando café da manhã - mostrou a caneca de café em mãos 
- desculpa por ontem 
- ri - esquece isso, até que me entendi com eles 
- você ficou muito em casa esses tempos não quer ir em uma balada comigo? 
- não sou a maior fã de balada 
- vai se divertir 
- certeza? - coloquei a caneca na mesa de centro 
- tenho
Niall gif | via Tumblr
- não sei se é legal ir pra festa que você vai 
- riu - eu vou pela festas normais, e não cheia de drogas e prostitutas como você pensa, tenho que parecer um cara normal 
- sentei-me ao seu lado - então acho que eu topo 
-comprei um carro novo, te dou uma carona 
- ótimo, não é porque tirei a muleta que vou querer sair andando por aí 

Ele apenas riu e depois voltou a olhar nos meus olhos, adorava a forma sincera que seus olhos azuis me olhavam, o que estou pensando? Eu tenho que colocar cabeça que seus defeitos são bem piores do que um cara qualquer, mas infelizmente, só consigo ver suas qualidades.

- sabe...depois daquele seu pequeno discurso Zayn gostou de você - disse quebrando o silêncio 
- como? Ele parecia ser o que mais me odiava? 
- ele adora uma garota gostosa e de atitude - arrumou a gola da blusa - quer dizer, ah... Não vou me desculpar
- tudo bem - ri - o que ele disse? 
-não vou falar exatamente como ele disse, porém ele gostou de você, e acho que vai pra balada também 
- okay, entendi... Preciso ir no mercado quer ir comigo? 
- vamos, aproveito e te mostro meu bebê 
- ri - certo, vou adorar arranha-lo - sorri 
- não ouse, eu juro que te jogo no meio da rua 
- veremos, Horan 

Coloquei um tênis, e uma bolsa, saímos de casa e de fato o carro era lindo.

- uau 
- eu disse - destrancou - agora vamos abriu a porta 

Entrei no carro e ele também, dirigiu até o supermercado e estacionou. 
Claro que olharam pro carro do Niall, e obviamente ele adorou isso. 
Entramos no mercado, peguei algumas frutas.

- odeio fruta
- eu também 
- por que come? 
- eu quero passar dos 30
- por isso adoro meu emprego ser diferente 
- sério? - o encarei 
- sim, diferente de todos, não é bem não comer frutas que vai me matar antes dos 30 
- ri - e você gosta disso? 
- sim - sorriu 

Já pensei simplesmente que ele não teve chances e virou um criminoso, mas ele adora isso.
Peguei o resto que precisava fui até o caixa, vi Niall passando algumas coisas fora do caixa, o mais incrível é que ninguém notava, e depois minha conta foi simplesmente baixa, eu paguei e levei as sacolas com ajuda do Niall para seu carro.

- você não vale nada - eu disse
- deveria me agradecer, sua conta foi mais barata 
- mas é errado 
- uma coisa errado a mais ou menos não faz mal nenhum - sorriu simples 
- claro que faz, a cadeia está cheia de caras que fizeram algo errado a mais ou menos 
- querida, não comigo
- não faça mais isso, certo? 

Entramos no carro e ele começou a dirigir. 

- hum... Que chato - ele disse 
- o que foi? 
- estamos sendo seguidos
'we fit' | via Tumblr
- por quem? 
-uns caras que acham que devemos dar nosso dinheiro pra eles
- e vocês não vão dar? 
- claro que não, então é bom você gostar de adrenalina - riu 

O encarei e quando menos esperei ele acelerou, virou uma rua, e o carro logo atas de nós também acelerou e virou a rua. Não demorou muito para que eu ficasse nervosa e com a respiração descompensada, logo escutei um tiro que pegou no vidro traseiro do carro.

- filha da puta! O carro é novo... Me faz um favor
- o quê? - perguntei 
- guia o volante - disse pegando uma arma no porta luvas 
- mas...
- você não tem escolhas - abriu o vidro 

Ele colocou metade do corpo pra fora do carro e eu guiei o volante, ele atirou até parecer furar o pneu do carro de trás, ele voltou pro banco e a dirigir. 

- suspirei me acalmando - me lembre de não te chamar mais pra ir no mercado comigo 
- riu - um pouquinho de adrenalina não faz mal pra ninguém 
- dispenso sua adrenalina, se acertou alguma das minhas compras você está ferrado 
- acabei de atirar em um bando de caras que são o dobro da minha altura, acha que tenho medo de você? 
- não me subestime, Nialler - coloquei a mão em sua coxa - mulheres podem ser piores - subi minha mão 
- tem certeza? Se isso é o seu pior, seja má comigo mais vezes - sorriu malicioso 

Subi a mão até seu membro, ele mordeu o lábio inferior, e eu apertei com força seu grito foi agudo como de uma garota, tirei minha mão e gargalhei.

- sua... caralho isso foi muito jogo baixo - disse com a voz baixa - até perdi o ar, meu deus como isso dói 
- eu te avisei 
- quando chegarmos na sua casa torça pra mim não me vingar de você 
- pena que não tenho medo de você - o encarei 

Ele não me encarou, porém sorriu, ao chegar na minha casa, ele estacionou na frente, e me ajudou a levar as compras pra dentro de casa. 
Guardei nos armários enquanto ele ficou sentado na cadeira me olhando.

- terminei - suspirei 
- se levantou - finalmente 
- e você ainda reclama, mas é um folgado
- sorriu e se aproximou - tenho que concordar

Acabei me afastando e me encostando no balcão, ele se aproximou e apoiou as mãos no balcão me encurralando, eu sou só um pouco mais baixa que ele, mas devido tanta proximidade tive que levantar um pouco o olhar.

- agora estou pensando em como me vingar de você
Untitled
- não precisa se vingar de mim, vou ser uma garota de agora em diante - eu disse em um tom amável 
- riu - eu duvido - se aproximou do meu pescoço - mas não se preocupe, eu adoro as garotas malvadas 

Senti seus lábios tocarem meu ombro, e sua mão apertar minha cintura, tenho que admitir que seu toque é algo inexplicável, com certeza faria qualquer garota ceder, eu até que sou difícil, mas não sei o que houve, parecia que eu me desmanchava, e tudo que aconteceu minutos antes parecia ter se apagado. 
Levei minhas mãos até sua nuca, ele me encarou próximo demais dos meus lábios.
love, rosie | via Tumblr

A mente gritava " NÃO, VOCÊ SABE QUE ENCRENCA ESTÁ SE METENDO", mas o corpo me traia, e simplesmente gritava sim. Deslizei minha mão da sua nuca até seu ombro e o beijei. Por mais do jeito angelical seu beijo era urgente e intenso, segurou minha cintura com as duas mãos e me colocou encima do balcão, entrelacei minhas pernas em sua cintura e me aprofundei ainda mais no beijo e quando o ar se fez necessário, rompemos o beijo. Levei alguns segundos pra calcular tudo, abri meus olhos, e o encarei que fez o mesmo.

- por isso eu adoro as garotas malvadas 
- por quê? 
- são as mais quentes - mordeu o lábio inferior 

Sorri e ele voltou a me beijar, suas mãos deslizaram da minha cintura até a barra da minha calça, e desabotoou o botão, levei minhas mãos pra baixo de sua regata, rompemos o beijo e a tirei, ele derrubou as coisas do balcão e me empurrou um pouco, me deitei no mesmo e ele ficou por cima de mim. 
Em um momento de lucidez rompi o beijo e ele me encarou.

- melhor não - eu disse ofegante 
- aí você está me maltratando 
- quem sabe outro dia 

Ele saiu de cima de mim, e eu voltei a me sentar. 

- e agora? 
- vamos pra festa mais tarde, você se alivia lá 
- não vai se importar?
- ri - vai ter caras pra me deixar feliz na festa também - pisquei 
- riu - até que gosto desse seu jeito - colocou a regata - mas essa conversa não acaba aqui
- isso não é você que decide
- você que pensa - se aproximou - mas você tem razão - sorriu - vamos numa festa, e vai ter várias outras garotas, e você vai ter meu amigo, quem sabe não gosta dele?
- está me jogando pra cima do seu amigo? acha isso certo?
- com tantas coisas que eu já fiz? acha mesmo que vou achar isso errado?

Então eu lembrei que estava fazendo uma pergunta muito idiota. Apenas ri envergonhada e desviei o olhar.

- bem... vou vir a noite e te busco junto com alguns dos meninos, fechado?
- fechado, te espero, não precisa que eu te leve até a porta não é?
- está cansada?
- o dia foi cansativo - eu disse irônica
- e olha que eu nem te cansei ainda - riu - tchau - disse saindo
- tchau

A NOITE 

Eu estava terminando de me arrumar, coloquei um salto médio e fechado, um vestido colado ao corpo, mas não chamativo, soltei meus cabelos, fiz alguns cachos nas pontas e a maquiagem, meio leve. 
Ouvi a campainha tocar, me olhei no espelho pela ultima vez, e fui até a porta. A abri, e Niall logo me olhou de cima abaixo.

- nada mal, Sullivan
Untitled
- que elogio, Niall - ironizei e ri 
- vamos? 
- claro

Sai de casa e tranquei a porta, andei até o carro e abri a porta da parte de trás, já que a frente estava ocupada pelo Liam.
E ao entrar, não sei se era bom ou ruim, mas Zayn estava ali, entrei e me sentei.

- oi, meninos - sorri 
- oi - Liam respondeu 
- e aí? Tudo bem? - Zayn perguntou 
- sim - o encarei - e você? 
- eu também, curti a roupa 

Pelo menos ele não me deixou desconfortável, eu agradeci, e logo todos nós começamos a conversar.
Quando chegamos na tal festa, Niall estacionou, e eu sai de carro, Zayn desceu logo atrás de mim, havia uma pequena fila, mas eles a cortou, e entramos logo. 
A luzes piscavam, mas eu fui direto para o bar, pedi um drink. Senti uma presença do meu lado, quando olhei Zayn também pedia uma bebida. 

- também gosta de começar pela bebida? - perguntou meio alto pela música 
- sim, adoro ficar animada primeiro 

Eu peguei meu drink e ele o dele, nós encaramos e viramos ao mesmo tempo.

- vem, vamos dançar 

O puxei para o meio das pessoas e comecei a dançar,

CONTINUO COM 6 COMENTÁRIOS 

-------------------------------------------------------------------------------------------

OI OI! Gostando da Long? espero que sim, se eu poder respondo os comentários de vocês dessa vez, é isso gente, beijo <3 - mi

24 de janeiro de 2015

Longfic ☽ Destiny - 1

GANG



Meu nome é Seu nome Sullivan, moro nos EUA, Nova York, não nasci aqui, na realidade nasci no Brasil, meu pais já se mudaram muitas vezes desde que eu nasci, então dificilmente eu conseguia me adaptar à algum lugar, por causa do trabalho deles. São Paulo, Chicago, Londres, Texas e finalmente Nova York, que foi onde eu completei meus 18 anos e decidi ficar. Meu pais se mudaram novamente pra Miami, e eu decidi construir uma vida aqui.
Eu trabalho em casa, porque alguma qualidade eu tinha que herdar dos meus pais já que sou bem diferente deles, e essa é o dom pra arte, então sou fotógrafa e as vezes pinto, com o dinheiro das duas coisas,  consigo me sustentar na pequena casa em que eu vivo.
Hoje em plena sexta feira eu teria que ir no banco, odeio bancos, muita fila só pra eles tirarem mais dinheiro de mim, mas eu tenho que apenas sacar um dinheiro o que não levaria meu tempo.
Ao chegar, abri a porta e fui até a máquina, minha senha não queria conferir, o que me fez enrolar ainda mais, então enquanto eu estava em uma pequena briga entre a máquina, escuto um tiro e...

- TODOS PRO CHÃO!

Tirei meu cartão, e por um momento agradeci não ter conseguido sacar o dinheiro, me abaixei e me encolhi em um canto sozinha. Estavam todos de máscara e terno, apenas podia diferenciá-los pelos cabelos e altura.
Enquanto estavam brigando e entrado aos montes no banco, eu vi um garoto no máximo 5 anos, procurando pela sua mãe, um dos assaltantes provavelmente iria se livrar dele logo, o puxei pra perto.

- escute, isso é sério, espere um pouco que depois ajudo a encontrar sua mãe, tudo bem?

Ele assentiu, com um olhar assustado, o abracei e olhei pra cima, todos estavam mascarados. Então, ouvi o barulho da polícia, e sirenes.

- VAMOS LOGO! - um deles com mascara branca e cabelos cacheados gritou - está tudo cercado, precisamos de um refém
- o garoto - apontou pro menino que eu tentava ajudar - sempre tem pena de crianças - o de topete disse
- não! - eu disse sem pensar
- como disse?! - ele disse exaltado
- é... eu... - gaguejei - me levem no lugar, mas deixem ele aqui
- o que acha? a bonitinha se ofereceu, bela refém - o de cabelo bagunçado e mais baixo, também mascarado disse
- então vem - o de cachos disse me puxando pelo braço

Me puxou e me levou pra fora do banco apontando a arma na minha cabeça, tentei manter a calma, mas estava difícil. Porém quando ele me segurou um pouco mais fraco, o empurrei e corri, então começou um tiroteio, fui para debaixo de uma árvore, então lembrei de um garoto.
por favor, sem peso na consciência - eu pensei.
Tarde demais, quando menos pensei, estava entrando no banco novamente, o puxei pelo braço, então senti uma dor aguda na perna, eu cai de imediato, ele me olhou assustado, parando de correr junto comigo.

- CORRE! - gritei

Assim ele fez, enquanto eu sentia a dor, fui puxada para um canto do banco. Olhei pra ele, era um loiro com lindos olhos azuis. Cortou o pedaço da calça onde estava o ferimento, depois cortou um pedaço da camisa e colocou encima pra estancar o sangue.

- au! - reclamei
- dói?
- muito... mas acho que vou ficar bem
- tem certeza?  preciso voltar
- sim, por acaso é policial?
- riu - não, meu ramo é diferente - colocou uma máscara  - gostei de você, tenho certeza que te vejo de novo
- NIALL! VEM LOGO! - Um deles gritou

Ele tirou rapidamente a máscara, sorriu e piscou, voltou a colocá-la, e saiu correndo.
Minha respiração estava descompensada, e eu nervosa comigo mesma por ter sentido uma atração imediata por um assaltante de banco. Coloquei a mão sob minha perna tentando suportar a dor, mas quando o tiroteio acabou, eu fui atendida.

(...)

Acordei no hospital, uma enfermeira logo entrou quando viu que acordei.

- está melhor? - perguntou
- minha perna ainda dói - eu disse olhando para a mesma
- vai ficar tudo bem, removemos a bala, que não chegou a atravessar e nem ficou em um local de risco, mas vai precisar de muletas por um tempo
- suspirei - tudo bem, por quanto tempo eu dormi?
- a cirurgia durou 5 horas, e depois você dormiu o dia seguinte inteiro, então está quase a dois dias aqui, mas leva alta ainda hoje
- okay, obrigada
- tem um garoto disse que é seu primo do lado de fora, pode deixá-lo entrar?

Estranhei, porque eu não tenho nenhum primo em Nova York, mas por curiosidade assenti.
Ela saiu do quarto, e então ele entrou, e estava bem longe de ser meu primo, ou qualquer um da minha família, era o loiro do banco, acho que Niall, na hora, fiquei em pânico, tentei alcançar o botão pra chamar a enfermeira mas ele foi mais rápido.

- eu juro que não te denunciei eu...
- ei... não vim fazer nada de mal, calma - riu
- suspirei aliviada - então veio pra quê?
- ver se estava bem, e talvez receber um agradecimento - deu de ombros
- agradecimento?!
- só não levou outro tiro porque te ajudei
- mas eu só levei um tiro porque você estava assaltando um banco!
- shhh - tampou minha boca - enlouqueceu? sou só seu primo, não faço coisas a margem da lei - destampou minha boca
- a margem? acho que você quis dizer totalmente fora dela
- eu merecia mais educação da sua parte, sinceramente
- você é muito cínico em, e como descobriu que eu estava aqui?
- eu vi as ambulâncias desse hospital vindo pra cá, Seu nome
- e como sabe meu nome?
- esta no seu cartão de crédito - mostrou - aliás, o devolvi intacto - colocou na minha cama - de nada por isso também
- ainda não vi o sentido de estar aqui
- eu fui com sua cara - deu de ombros
- e...
- hum... faz uns dois anos que eu não vou com a cara de uma garota
- você não fica com uma garota à dois anos? - perguntei surpresa
- eu não preciso gostar da garota pra transar com ele - piscou
- ah... bem, lamento, mas não vou com a cara... " de certos primos" - ironizei
- qual é? não mereço uma chance?
- suspirei - não sei... por que foi com minha cara?
- eu vi quando ajudou o garoto, a propósito ele está bem, ajudei a achar sua mãe
- sabe, se você não fosse uma pessoa no caminho errado, te acharia adorável, mas você está no caminho errado então...
- vamos fazer assim, você vai usar muletas por uma semana ou um pouco mais, já que o tiro não foi tão ruim assim, posso te ajudar?
- bem, eu deveria recusar, mas não tenho ninguém pra me ajudar
- então, está certo - sorriu - vou ser um primo legal com você - piscou

Eu aceitei mesmo isso? Sim, aceitei, eu devo ter algum problema mental, sério.
Depois de um bom tempo fui liberada, e por incrível que pareça, ele esperou o tempo e me ajudou com as muletas até o táxi, dei o endereço da minha casa, não sabia se era seguro, mas agora já era tarde demais.
Ao chegar na minha casa, ele me ajudou, peguei minhas chaves e abri minha porta, andei com as muletas até o sofá, finalmente me sentei e soltei um suspiro de dor.

- não é nada grande - eu disse
- eu notei - se aproximou - ainda está com medo de mim?
- medo não, mas ainda não confio em você
- eu iria perguntar porque, mas o motivo é bem óbvio
- que bom que sabe - ri

Ele recebeu uma ligação, se afastou um pouco para atender e depois voltou.

- preciso ir, mas amanhã eu volto
- você é louco, okay?
- eu sei - riu - esse é meu telefone - anotou
- não vou te ligar tão cedo
- eu te ligo
- como tem meu número?
- peguei seu celular e transferi o número pro meu celular
- como?
- você estava distraída no táxi, bem... vou indo, tchau, não precisa levantar, sei onde é a porta

Ele simplesmente saiu, e novamente eu estava sozinha.
Incrivelmente sua companhia não me deixava mais incomodada, por mais que devesse.

NIALL HORAN P.O.V.

Quando cheguei em casa, encontrei os garotos na sala conversando.

- olha quem voltou - Zayn disse irônico
- nem começa com essa ironia - me sentei na poltrona
- iih, mal humor é? - Liam perguntou
- por que me chamaram em?
- só pra falar que estamos limpos, tinha uma testemunha, mandamos ela pra outro lugar, e outro, morreu sem querer - Louis disse
- sem querer? - ergui uma sobrancelha
- é, não tive culpa que ele caiu -  Harry disse e sorriu

Eles normalmente mandam as testemunhas pra outro lugar, ou fazem prometer nunca contar, mas as vezes ocorrem incidentes.

- acho que nos livramos de todas não é? - Zayn questionou
- sim - todos responderam, menos eu
- Niall? - Zayn me encarou - não me diga que sobrou uma
- não - respondi ( e droga, como eu minto mal)
- você é o pior mentiroso que existe - Louis disse - fala logo
- teve uma garota que eu acertei sem querer, ajudei ela... fiquei com pena, então estou meio que ajudando ela
- desde que ela não conte nada, sem problemas - Liam tentou amenizar
- só não se apegue, nunca se sabe quando alguém vai embora - Zayn disse com um sorriso maldoso no rosto
- segurei a gola de sua camisa - se encostar nela eu te mato
- não conhece a garota nem a dois dias - me empurrou
- o problema é meu, vou pro meu quarto - eu subi as escadas

Me deitei na cama, tirei meus tênis e me aconcheguei.
Então pensei nela, nunca me senti culpado de acertar alguém, mas ao ver como ela tratou um garoto que nem ao menos conhecia, parece que o coração que até agora parecia não dar um sinal, deu vários. Só não quero que ela descubra que fui eu, afinal foi sem querer, e... gostei dela de verdade, é meio que... ah, preciso parar de pensar nisso, tenho que... sair qualquer coisa, pra simplesmente esquecer disso, afinal sentir culpa não é comigo.

DIA SEGUINTE


NARRADOR P.O.V.

No dia seguinte, Niall por ter ido em uma festa na noite anterior, acabou chegando um pouco tarde na casa de Seu nome, bateu na porta, e depois de um tempo, ela abriu a porta.

- boa tarde - ele disse
- boa tarde, quer entrar?
- claro - disse entrando

Seu nome fechou a porta, e com ajuda das muletas foi até o sofá e se sentou.

- até que está andando bem com as muletas agora - Niall disse e se sentou
- perdi o sono a noite e fiquei treinando
- sério? - riu
- sério - assentiu - o que o tédio não faz...e  você Niall?
- o que tem?
- o que faz aqui de novo?
- ver como você está
- não creio que pode estar simplesmente com pena de mim, um cara que assalta bancos com pena de uma garota que achou caída no meio de tantas outras?

Niall se sentia confuso, será que deveria ou não contar pra ela, era um péssimo mentiroso, não é atoa, ele odeia mentir.

- eu sabia que não era só isso - ela disse - fala logo
- não me apressa, garota
- então fala

Ele suspirou alto, e pensou que seria melhor a verdade do que ficar se culpando depois.

- tem razão, não tenho pena, mas de você eu tive alguma coisa que não sei explicar - olhou em seus olhos - eu ia atirar em um policial, sem querer pegou em você
- você que atirou em mim?!
- me desculpe, foi sem querer
- agora tem um motivo, está culpado, não preciso da sua pena, vai embora
- não - cruzou os braços - você não manda em mim, e eu não tenho pena de você
- se não é pena o que é?
- gosto da sua companhia e de te fazer companhia, então vai ter que me aguentar
- nossa vou ter que te aguentar me ajudando, como você é mal - disse com sarcasmo
- pois é - riu do sarcasmo da garota - só não quero ficar culpado depois, isso é péssimo
- vai ficar culpado por isso? Tantas outras coisas pra ficar 
-desde ontem eu me pergunto a mesma coisa
- bem já que querendo ou não, vou ter você aqui, me ajuda a preparar algo pra comer, estou morrendo de fome 
- sou uma negação na cozinha, mas posso te ajudar pedindo comida, mais fácil 
- okay - sorriu 

Belo sorriso - Niall pensou, ele achava estranho como em nenhum momento ela nem ao menos cogitou em ligar pra polícia, não sabia se ela era inocente a ponto de confiar nele, ou se era esperta já sabendo o que poderia acontecer se ligasse.
Ele ligou para um restaurante pedindo comida, e depois desligou.

- em meia hora sua fome acaba - piscou 
- okay 
- qual seu sobrenome? 
- por que quer saber? 
- vejamos você está na minha casa pedindo comida pra mim e eu não sei absolutamente nada sobre você 
- Niall James Horan, mas prefiro só Niall Horan 
- o meu você sabe, leu meu cartão 
- pois é, sei mais de você do que pensa 
- tipo...
- só de entrar na sua casa, notei que não faz o tipo de garota totalmente organizada, é brasileira, porque tem uma caneca do Brasil, e ninguém além de um brasileiro tem coisas de lá por aqui... Mas parece já ter viajado muito pelas fotos que tem em lugares bem diferentes com pessoas que provavelmente são seu pais, ah, e deve ser bem louca pra confiar em um cara que assaltou um banco 
- uou - disse impressionada - também vê o futuro quero saber de umas coisinhas? 
- riu - ainda não, quem sabe - deu de ombros
- como aprendeu isso? - perguntou
- tenho 24 anos, trabalho com isso desde os 16, tenho experiência 
- e como entrou nisso? 
- está querendo saber demais, querida - sorriu
- é tão estranho como você parece calmo com essa situação e eu estou surtando por dentro 
- riu - acontece - deu de ombros - e você? Tem algo a me dizer que eu não saiba 
- tenho 19 anos, sabia disso?
- não, seu facebook diz 18 
- sempre esqueço de arrumar a idade, e viu meu facebook? 
- sim, precisava saber se era confiável, ou uma policial sedutora de assaltantes de banco - brincou 
- riu - eu que deveria procurar algo sobre você 
- mas não fez isso, ainda não entendi porque 
- sei lá eu tenho um pensamento meio louco que certas pessoas são até que confiáveis - disse irônica 

Quando escutou a campainha, Niall se levantou abriu a porta, pagou e pegou a comida. 

- eu ia dizer que não precisava te pagado  - disse indo até a mesa 
- e por que não disse? 
- você quase acabou com minha perna, o mínimo é pagar comida pra mim - riu 

Até que ele gostava como ela levava as coisas sérias no humor, então comeram, aproveitando um a companhia do outro 

2 SEMANAS DEPOIS 

Depois de duas semanas se vendo todos os dias finalmente Seu nome iria parar de usar as muletas, já que havia até passado do tempo.
Depois de deixar as muletas no hospital com ajuda do Niall, e fazer tudo que bastava, eles saíram.

- então, Niall... estou melhor agora, não precisa mais se achar obrigado à cuidar de mim
- fiquei te vendo todos os dias por duas semanas, acha mesmo que tinha isso como obrigação?
- eu não sei, me diga você
- riu - não, Seu nome, não vim por obrigação
- então por quê? - o encarou
- porque... - hesitou - eu gosto de passar um tempo com você
- okay, vou parar de fazer perguntas, vamos comer em uma lanchonete

Sem notar ela segurou em sua mão e o puxou pra lanchonete mais próxima, Niall estranhou, mas ela nem ao menos notou, quando chegaram, ela largou sua mão, se sentaram em uma mesa, e fizeram os pedidos.

- estou morrendo de fome - ela disse
- ainda não comeu? - perguntou
- não, esqueci - riu
- como esquece disso... e... merda - olhou pra ela
- o que houve?
- meus amigos entrando ali
- sério?
- não, olha
- espera, são os que... assaltaram o banco? - sussurrou
- assentiu - se eles me verem com você vão me encher a paciência

Seu nome estava bem longe de se preocupar com eles "encherem a paciência de Niall" e sim com o medo que estava sentindo deles naquele momento.

- Niall, acho que vou embora

Ela se levantou, mas quando se virou de imediato trombou com um deles, que logo sorriu e a encarou, usava um topete e cabelos raspados na laterais, e o sorriso maldoso dele era nítido.

- ah... eu... me desculpa -
- sem problemas - ele disse - já está indo? adoraríamos comer aqui junto com vocês
- eu... tenho um compromisso
- duvido que tenha mesmo, está com medo? - segurou seu braço - somos apenas amigos do seu amigo - sorriu

Ela mesma não estava se reconhecendo, nunca teve medo de tal forma dos outros, respirou fundo e olhou nos olhos dele.

- não tenho medo, posso cancelar o compromisso - soltou seu braço dele

Seu nome voltou a se sentar, mas dessa vez ao lado do Niall, eles pegaram uma mesa e juntaram junto com a deles e todos se sentaram, e olharam ao mesmo tempo para Seu nome.

- ah, que falta de educação - um deles disse irônico - nem nos apresentamos - Sou Harry, ele é o Zayn, Louis e Liam
- o que vieram fazer aqui? - Niall perguntou - dificilmente vem pra cá
- queríamos ver o que nosso amigo está fazendo - Louis disse
- e com quem está saindo - Zayn disse e olhou diretamente para Seu nome
- será que dá pra parar com sarcasmo e falar normalmente?
- pegamos um cara fotografando nossa casa - Liam cortou a ironia - provavelmente... alguém falou alguma coisa

Niall olhou para Seu nome que demorou um pouco para entender, mas quando entendeu, logo negou.

- não me olhe assim, nunca faria isso - ela disse
- nunca? pena que todos mentem - Harry disse
- eu não estou mentindo, okay?
- não sou obrigado acreditar em você - Harry rebateu
- ela encarou Niall - mas eu só quero que uma pessoa acredite em mim

Continua....